CARTA ABERTA

18 05 2009

NOMEAÇÃO DOS MEMBROS EXTERNOS PARA O CONSELHO GERAL DA UNIVERSIDADE DO MINHO

 

logotopo

O Núcleo de Braga da União de Mulheres Alternativa Resposta (UMAR) vem por este meio manifestar a sua discordância relativamente ao processo de nomeação de elementos externos para o Conselho Geral da Universidade do Minho.

Esta instituição de ensino convidou, na verdade, seis membros externos para integrar este órgão: os ex-ministros Laborinho Lúcio, João Salgueiro e Luís Braga da Cruz, bem como o investigador de neurobiologia Alcino J. Silva, o empresário António Pacheco Murta, e o programador artístico e cultural, João Fernandes.

Não pretendendo colocar em causa o mérito dos nomeados, a UMAR questiona e contesta veementemente a ausência de nomeações de mulheres para o órgão colegial máximo de governo e de poder decisório da Universidade do Minho, o Conselho Geral. Não terão as mulheres mérito para ocupar tais posições na hierárquica institucional? Por que razão as nomeações incidiram somente em homens? Quais os critérios tomados em consideração?

Não obstante o crescente reconhecimento da inclusão da perspectiva de género na constituição de órgãos institucionais, a Universidade do Minho privilegiou exclusivamente homens, ignorando mulheres com mérito, reconhecimento nacional e idoneidade para exercer as suas incumbências. Esta visão androcêntrica é particularmente grave quando acontece numa universidade pública, que constitui um espaço de produção de conhecimentos e formação de mentalidades. Como instituição sem muros, a Universidade do Minho deveria ser pioneira na inclusão da perspectiva de género que, não colidindo com a meritocracia, contribui para uma instituição mais diversificada e igual.

Este último processo de nomeações mostra eximiamente a prevalência de um sexismo institucional que dá preferência aos homens, exclui as mulheres e favorece a perpetuação de relações de poder desiguais, cujos corolários tendem a reflectir-se na comunidade académica, nomeadamente nos/as estudantes.

Recusamos, deste modo, a conivência com:
a) A ausência de transparência no processo de nomeação, nomeadamente quanto aos critérios de selecção;
b) A inexistência de um júri moderador e supervisor que garantisse a imparcialidade, transparência e justeza;
c) O abuso de posições de dominância na nomeação de elementos externos;
d) A exclusão da perspectiva de género na composição do órgão, tendencialmente adoptada a nível institucional;
e) A incipiência da consciência social que tende considerar a inclusão da perspectiva de género como contrária à meritocracia.  

A UMAR considera importante a imparcialidade e transparência do processo de nomeação destes membros, bem como o estabelecimento de critérios rigorosamente definidos que permitam acesso igualitário aos cargos disponíveis.
Com este documento, a UMAR espera contribuir para a promoção de processos institucionais não-discriminatórios, tornando a Universidade do Minho uma instituição, de facto, sem muros. 

A UMAR aproveita ainda para congratular as personalidades nomeadas, que pelo e com o seu mérito permitam uma realização plena e civicamente consciente das suas responsabilidades.

 
União de Mulheres Alternativa e Resposta | Núcleo de Braga
Braga, 18 de Maio de 2009


Ações

Information

One response

19 05 2009
Olímpia

Muitos Parabéns a todas as companheiras da UMAR BRAGA!
Um exemplo a seguir por tod@s @s que estão ligadas à vida académica.
Abraço solidário e feminista

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: